PEIXINHO

quarta-feira, 19 de junho de 2013

LAVA-ME COM O AR DO TEMPO





(Escrito a quatro mãos)

Lava-me com o olhar do vento
Que suave beija o rosto do meu tempo
lava-me como se fosse a chuva
que cai de mansinho
encharca a alma
em teus braços deixa-me calma...

Lava-me
na imensidão da lua
da noite de prosa nua
lava a voz do amanhecer do amor
lava-me a dor...

Como fosse a areia
que lambida pelas ondas se faz mulher
menina sereia
do jeito que você quiser...
Com as mãos do lazer
com o olhar dum suave dizer...

Lava-me…
com a chuva que brota na madrugada
com o desejo que aflora em pleno dia
molha-me com seu olhar poético
Transformando-me em poesia...


Lava-me…
Com a essência do amor
Com o sabor do calor...

Lava-me com o ar do tempo...

Irá Rodrigues & Fredy Ngola
19/06/2013